sexta-feira, 23 de abril de 2010

Pimenta


Sylvain saiu correndo pelo Faubourg St. Antoine, entrou na GAP e subiu pro 2º andar da loja, parando na seção feminina. Pegou as três primeiras calcinhas que viu e desembestou pro caixa. Os trinta e quatro euros pagos pareceram no início uma gorda soma, mas depois, pensando melhor, deu-se conta de que era barato até demais.

Oitenta e dois, rue Pigalle, disse pro taxista. Por onde? Pelo céu, se puder, precisava estar lá dez minutos atrás.

O chofer fez um retorno proibido e arrancou decidido em direção ao Périph, o boulevard périphérique, anel que dá a volta na cidade e a separa dos seus subúrbios. Costurando mais torto do que madame com parkinson, ultrapassou um ônibus pela direita, tirou fina de dois ciclistas distraídos e já ia freando pro sinal recém-amarelado, quando o passageiro gritou não pára, não pára. Ele não parou e por isso aqui escapou de atropelar um casal que fazia jogging.

O passageiro não tinha a menor ideia do passado do seu motorista, cujo currículo na profissão mais parecia ficha policial, mas não estava gostando nem um pouco do presente e já começava a temer pelo futuro próximo, do qual fazia parte. Não precisa correr tanto, também não é o fim do mundo se eu chegar atrasado, falou já mudando de ideia.

Mas o outro nem escutou, tão concentrado estava em seus cálculos para ver se dava pra passar entre os dois caminhões que ocupavam simultaneamente as faixas da direita e da esquerda da pista, deixando apenas uma parte da central livre. Dá, ele disse. Dá sim, repetiu, eu vou.

Sylvain não teve tempo de gritar não vai passar, pois o taxista já tinha enfiado o carro naquele espaço mínimo e acelerado fundo, e se beliscou bem umas cinco vezes para acreditar que ainda estava ali. Os caminhoneiros não entenderam como não deu uma merda daquelas, pois tinha tudo pra dar.

Tem um pouco de trânsito ali na frente, vou pegar um atalho por uma rua pequena à esquerda, avisou o condutor, que tomou a falta de uma resposta por um sinal de positivo. Entrou e ignorou a faixa de pedestre, dando um baita susto em um careca de bigode e seu poodle, que já latia muito e passou a fazê-lo em dobro depois desse trauma.

Roendo a quarta unha seguida, o passageiro não conseguia articular nem pensamento, quanto mais palavras pra tentar conter o ímpeto de fórmula um daquele sujeito com sotaque estranho do banco da frente.

O sujeito com sotaque estranho do banco da frente passou à toda por dois cruzamentos sem nem piscar, agora imagina se ele olhou pro lado, e continuou a disparada rumo ao oitenta e dois, Rue Pigalle. Chegou e o passageiro sobressaltou quando olhou o relógio de ponteiro de cabeça pra baixo e achou por um segundo que tinha chegado antes da partida.

Quanto deu a corrida? Vinte e dois euros. Tá aqui vinte e cinco, pode guardar o troco. Obrigado. Aliviado por estar completamente inteiro, quis descobrir o nome do sujeito que ele não sabia se classificava como o pior ou o melhor piloto de táxi que já cruzara.

Raimundô Batistá.

De onde?

Brasil, Bahia, Salvador, com a graça de Deus e do Senhor do Bonfim.

8 comentários:

Mirelle Siqueira disse...

Ai que falta fez esse Raimundô quando precisei de taxi em Paris! Perdi meu trem por 2 minutos....

pedro disse...

muito bom o texto Daniel! até fiquei com vontade de parar de fazer tirinha muda pro B&C! Abraço!

Pápi disse...

Brasileiro, guiando pra uma empresa francesa, ao estilo Dick Vigarista... Não seria Nelsinho o nome do garoto, e o carro um Renault de uma empresa de propriedade de um italiano "malavita" chamado Flavio? Sei não. Pelo estilo e pela descrição, acho que Raimundô é nome de guerra de piloto de Fórmula 1 desempregado.

Beth disse...

êêêêêh conterrâneo! esse é forte, oxe!

Marina Fernandes disse...

Mais um texto perfeito Daniel !
Sempre com qualidade .

Pablo disse...

Sem nada acrescentar aos comentários sobre a qualidade do texto, aos quais subscrevo, gostaria apenas de inquerir sobre a veracidade do fato. Aconteceu?

Dyalisson disse...

olá blog muito bom gosteii fassa uma visita no meu parceiro http://www.tudonoglobo.blogspot.com/

Mirelle Siqueira disse...

Daniel, voltei!

Dessa vez para dizer que tem um selinho de qualidade esperando por vc la no meu blog. Coisas desse mundo estranho de blogueiros. duvido que você vai postar aqui, mas como faz parte do "trabalho" avisar os meus indicados, passei por aqui!

(bom que assim vc ja fica sabendo que o seu blog é um dos meus preferidos!)