sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

Os inacreditáveis jogos de inverno


Existe uma teoria que prega que os jogos olímpicos de inverno não existem, são apenas o fruto da imaginação das pessoas. Segundo essa teoria, quando a temperatura atinge -30ºC, uma parte do córtex cerebral congela e criam-se imagens mentais bem estranhas. Relatos colhidos nos países do norte descrevem situações bizarras. John Icemore conta ter assistido na TV um esporte no qual um sujeito lança uma pedra de granito em um solo congelado e dois outros vão na frente dessa pedra varrendo loucamente o chão para que ela atinja uma marca no solo. John ainda foi além e afirma que essa estranheza chamaria-se curling. Nota-se, pois, uma alucinação tão absurda quanto a descrita por Marie Frozen, que jura de pés juntos ter visto uma equipe de brasileiros participando dessas supostas competições. Só se for vendendo picolé de manga.

Apesar dessas controvérsias, há quem assegure que os jogos realmente acontecem. Pelo menos é o que nos faz acreditar a televisão francesa, ao acompanhar de perto o desempenho dos atletas gauleses, ouro na prestigiosa prova de combinado nórdico. Ao contrário do que o nome possa sugerir, não se trata de um trenó puxado por um sueco e um norueguês. No entanto, e infelizmente, mais informações não sou capaz de dar.

Dizem que a edição 2010 da famigerada competição de inverno estaria sendo realizada nesse exato momento em Vancouver, no Canadá, um país que se vangloria de ser dono do Pólo Norte, casa do Papai Noel. Confesso que só tenho certeza da existência do Canadá devido ao fato de ser a terra natal de Neil Young, trilha sonora obrigatória de qualquer roqueiro que se preze.

Por mais que tentem me convencer, eu ainda não consigo acreditar na existência desses jogos olímpicos versão congelada. Principalmente quando vi a cerimônia de abertura na TV, que mostrava uma enorme tocha no meio de todo aquele gelo e ele nem derretia. Pra cima de moi não, né?
Belle & Chico tentam se recuperar do carnaval brasileiro. Em http://www.bellechico.com.br/

7 comentários:

Antônio disse...

Que engraçado. Eu pensei o mesmo quando vi as aberturas desses jogos na tv.

Leonel Gaudério disse...

Salve, Tchê. Andei meio que fugido do teu blog, mas o assunto da semana me diz respeito. Por muito tempo peleei para trazer as Olimpíadas de Inverno para Pelotas, mas um bando de frescos das ongs e do governo deu preferência para o tal Forum Social Mundial em Poa, que serve pra juntar as peças mais esquisitas que já vi na vida. Inventaram também que a Olimpíada de Inverno não podia ser aqui no Sul porque na época é verão. Preferimos (nossa turma de Pelotas) não discutir, mas a idéia não morreu.
A propósito, aquela estória de conferir febre pelo rabo ainda tá valendo em Paris?

Jú Fuscaldi Rebouças disse...

Estive na Itália no carnaval e assisti a alguns jogos. Me impressionou o tanto de modos diferentes (ou nem tão diferentes) de se descer uma montanha de neve usando esquis.

Rafael Perfeito disse...

Mudando canais aqui com meu filho, nos deparamos com esse esporte curioso visto pelo Sr. Icemore.
China x Reino Unido. O chinês apertou os olhinhos para mirar direitinho mas não evitou a EMOCIONANTE derrota por 5 a 1, depois de horas e horas de jogo. Até meu cérebro foi varrido. Rimos muito.


Realmente inacreditáveis esses jogos!

Cláudio K. Freitas disse...

Há muitas cyriosidades mesmo nos esportes de inverno, o Curling é bastante diferente, mas é jogo de estratégia, tem que pensar para não fazer besteira.

Para nós brasileiros é algo bem duferente por não convivermos com gelo, mais estranho ainda e motivo de ironia por parte de pessoas avessas a inovação, eis aí uma coisa muito comum em franceses, em Paris então....

Pra quem gosta mais de samba do que livros, esportes de raciocínio são coisa de outro planeta mesmo. Que ironia boba.

debora blog disse...

Chéri, o mais inacreditável nesses jogos de inverno não é a bizarrice de alguns esportes como o Curling ou aquelas corridas malucas de trenó e sim a presença de atletas brasileiros em várias modalidades. Pra tornar tudo mais surreal, muitos brazucas que competem em Vancouver não falam português ( porque moram no exterior desde que sujavam as fraldas ) e conhecem pouquíssimo do país que os pariu. Realmente se você fuçar vai achar brasileiro em tudo quanto é canto. Uncroyable.

Bjs!
Déby

Antônio Padilha disse...

Não entendi o post. No inicio, achei q queria comentar sobre atividades que existem em ambientes geograficamente e culturalmente diferentes ao nosso. Mas não. Falou nada mesmo.