sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

Resoluções e revoluções

Os dois estavam na cama. Ele abaixou o cacho de uvas, para que ela pudesse alcançá-lo. Com a boca meio cheia, foi ela quem começou o diálogo.

- Paul, tomei uma resolução de ano novo.
- Já sei, Virginie. Fazer regime.
- Não, essa foi a do ano passado, chéri.
- Então vai terminar de pintar aquele quadro que você começou há séculos.
- Também não. Essa tinha sido a de dois anos atrás.
- E não cumpriu nenhuma das duas, né?
- Eu sei, eu sei. Mas dessa vez é pra valer.
- Vai juntar dinheiro pra uma viagem pra América do Sul?
- Não.
- E o que é?
- Vou trocar de marido.
- Cuméquié? Endoideceu?
- Decidi arrumar um outro homem.
- Um amante?
- Não, não. Apenas trocar você por outro.
- Mas... tem algo de errado comigo?
- Nada.
- Tô feio? Barrigudo?
- Você continua um gatão selvagem. Faz miau.
- Miau.
- Viu? O mesmo de sempre.
- Mas o que é, então? A gente se dá mal?
- Não, Paul. Você sabe que a gente se entende perfeitamente. Você até chorou assistindo Titanic comigo. Coisa mais linda.
- É meu ronco? É isso?
- Nada a ver. Eu gosto do seu ronco. Me faz sonhar que tô na selva.
- Então é por causa daquela minha cueca furada.
- A cueca furada te dá um charme especial, meio rústico.
- E é o quê, então?
- Não é nada. Só achei que precisava de uma troca na minha vida.
- E por que não foi aprender a trocar pneu de carro?
- Não dá pra exagerar, né? Trocar de marido é mais fácil.
- Mas, Virginie, de onde veio essa idéia? Ficou maluca?
- Foi a Marie que começou tudo, ano passado. Tava meio entediada e trocou o marido por um garotão 10 anos mais novo. Hoje está ó-ti-ma, super feliz, com pele e unhas lindas.
- E aí você resolveu embarcar nessa...
- Não só eu, mas todas as nossas amigas. Sabe, Paul, acho que você também está precisando de tomar resoluções arrojadas. Vão te fazer bem.
- Olha, acho que você tem razão, Virginie.
- Claro que tenho. Você vai ver como vai se sentir mais leve.
- Pois é. E acabei de decidir qual será minha resolução de ano novo.
- E qual é?
- Vou trocar hoje mesmo a senha do cartão de crédito.
- Do nosso cartão de crédito ilimitado?
- Do meu, você quer dizer.
- Credo, Paul. Por que você é sempre assim tão radical?

5 comentários:

Silvestre Gavinha disse...

Hahahhahaaha, GENIAL!!!!

FabiCatarse!! disse...

1°...aaaaaaaaaaaah, Virginie, bobagem, menina, escolha um novo marido que seja rico também, oras! Tão fácil como fazer regime ou terminar de pintar um quadro!

2°Paul, nem esquenta a cabeça... pelo jeito a Virginie não é muito de concretizar esses projetinhos de ano novo, chegará final de 2009 e vocês ainda estarão juntos! Desde que você realmente mude a senha do cartão... afinal, com um cartão com crédito ilimitado, qualquer um quererá ser marido dela, né?!

Natália Vaz disse...

Virginie, gatan, a pele e as unhas um salão de beleza facilmente ajeitaria. Nessa, o cartão de crédito ilimitado serve que é uma beleza, sonhaí! =P

Mas mudanças são legais. Muito mesmo!

...Guga... disse...

HUAHUAHUAHUAHUAHU


dimais

Jú Fuscaldi Rebouças disse...

Amei!