sexta-feira, 1 de junho de 2007

3ª Guerra Mundial


- Quais são os pontos que delimitam a Avenida de Champs-Elysées? Perguntou Monsieur Gérard.
- O Arco do Triunfo e a Praça de La Concorde, respondeu rapidamente um argelino que entrou na turma não faz muito tempo e logo se revelou um metido a sabe-tudo.
- Très bien! E alguém sabe quantas ruas chegam ao balão do Arco do Triunfo?
- Seis, com certeza!
Afirmou o sujeito.

Todo mundo conhece um sabe-tudo. É aquele chato que se acha mais esperto que os outros e fala sem parar. Principalmente quando ninguém pergunta nada. O dito cujo é um engenheiro, no alto de seus 60 e poucos anos, que mora em Paris há muito tempo e fala um francês mais fluente do que Napoleão. Não tenho idéia do que faz naquela sala.

Animado com a atenção de todo mundo, ficou de pé e começou a enumerar as ruas, enquanto ia fazendo a conta nos dedos das mãos.

- Tem a Avenida do Champs-Elysées, a Wagram, a Mac Mahon...
Seus olhos brilhavam de felicidade, e ele passou a desfilar comentários.
- Sabe, eu trabalhei em La Grande Armée, nas obras do metrô.
- Na Avenida d'Iéna tem uma padaria maravilhosa, bem do lado de um bar super simpático.
- Ah, a Marceau chega pertinho do Sena.


Quanto mais fornecia informações não solicitadas, mais enchia o peito. E a sua voz saía mais firme e forte.

- São doze ruas. Alguém interrompeu.
- Hein?
- São doze ruas, com certeza.


Como num jogo de tênis, todo mundo virou ao mesmo tempo a cabeça para o outro lado da sala, para ver quem desafiava. Era uma russa, que até então eu não sabia que falava. Não só falou como abriu um baita sorriso, revelando uma meia dúzia de dentes de ouro. Tinha cara de vilã de filme de 007, mas todo mundo passou a torcer por ela.

A aula começava a ficar mais interessante, e até uns dois que cochilavam acordaram para acompanhar o embate.

- A senhora está completamente enganada.
- São doze ruas.
- Tem a Champs-Elysées, a Wagram, a Mac Mahon, a La Grande Armée, a d'Iéna e a Marceau.
- São doze ruas.
- Eu trabalhei lá durante anos. Tem a Champs-Elysées, a Wagram...


O sujeito começou a se embolar nos próprios dedos. E a russa, monocórdica, repetia a mesma frase. De súbito, sacou um mapa da bolsa.

- Vamos contar, decidiu Monsieur Gérard, naturalmente alçado ao posto de juiz.
- Un, deux...

O argelino suava. Sua hegemonia estava em jogo. Se tivesse razão, teria o ego tão inflado que voltaria voando pra casa. Se estivesse errado, perderia o posto de professor de Deus, que ele mesmo se concedeu.

- Trois, quatre...

A russa só ria, mostrando sua milionária arcada dentária para a turma.

- Cinq, six...

A voz de Monsieur Gérard ecoava no mais profundo silêncio em que a sala se encontrava. Dava pra ouvir as respirações.

- ...onze, douze. São doze mesmo. Madame Galina tem razão.

O argelino desabou. Sentou. Levantou. Pediu pra ver o mapa. Contou. Recontou. Passou a mão na cabeça. E percebeu que realmente tinha perdido a batalha. Mas, provavelmente lembrando do passado de seu país, viu que ainda podia ganhar a guerra. E desferiu um rápido contra-golpe.

- Madame Galina, eu ainda acho que tenho razão. A senhora não quer ir lá comigo depois da aula pra gente contar juntos?
- Oui, vamos...


Tímida, a russa mostrou todos os dentes e exibiu o sorriso mais dourado que já vi. Mas fez questão de deixar claro que pelo menos aquela peleja na sala de aula já estava decidida.

- Mas que são doze, são doze.

8 comentários:

CY disse...

Veja como são as coisas: eu li argelino e gravei argentino. Achei que fazia mais sentido, sei lá hehehehe BJIM, Daney!!! Depois dá uma olhada no meu flickr e vê onde eu tô agora! ;o)

CY disse...

Ah, o link pro meu flickr tá no meu nome no comentário acima, mas é www.flickr.com/photos/cynaritz. BJIM de novo

Daniel Duende disse...

Ahhhhh... como é bela a queda dos sabe-tudos! :D

E este aí despencou de cima de seu Arco do Triunfo pessoal, hein? Confundir 12 ruas com 6 ruas não é exatamente um "pequeno engano" :)

Só duas dúvidas...
estas 12 ruas dão mao para o Arco do Triunfo ou algumas chegam e algumas saem? Mesmo que sejam 6 chegando e 6 saindo, já é dificil imaginar como se ajeita o transito por ali. Se forem de mão dupla então, tenho até medo :)

Abraços do Verde.

Pagu disse...

Considero esse blog O achado do ano [até agora]. Parabéns. Você é muito mais engraçado que qualquer outro blogueiro que se propõe a tentar o feito. E ainda está na França, lugar para o qual também pretendo ir [em bem pouco tempo]. Favoritar-te-ei pela graça, inteligência e para tentar entender como funcionam as coisas por aí.

:)

Abraços.

Natália

Pequena disse...

Com certeza este argelino vai à aula de francês só para não ficar em casa. E ainda conseguiu arrastar a russa para dar um passeio com ele pela Champs-Elissès... Chato ou não, de bobo ele não tem nada.
bjocas e saudades,
Bárbara

Cheri disse...

Caro xará,

É isso mesmo: 12 ruas de mão dupla. Dizem que é o balão mais complicado do mundo. Que você pode ficar horas ali preso se não conhecer bem o lugar.

Georgia disse...

...e essas largas avenidas foram projetadas não apenas para fins estéticos, mas também militares, Napoleão III não queria novas agitações como as da revolução francesa...e, assim, era mais fácil evacuar a cidade, colocar tropas nas ruas...etc...
ôpa, mais um sabe tudo...hehehehe...conhecemos vários, né Daniels! saudades de vc...
não tenho vindo muito ao seu blog, mas o txotxa lê pra mim de vez em quando...tá muito legal. Vc escreve muito bem mesmo...
Grande beijo

Anônimo disse...

Essa juventude eh um espanto!
Que eram 12 avenidas eu sei ha mais de 50 anos!! Cultura inutil, mas sabia.