quinta-feira, 5 de abril de 2007

Eu x Zidane


Primeiro sábado em Paris. Primeira festa. Atrasei-me, depois de passar um dia (infernal) na Ikea, mega-loja que é uma espécie de Tok&Stok misturada com Makro, comprando coisas para a casa.

Ao chegar lá, uma surpresa: dos alto-falantes saía música brasileira! “Essa moça tá diferente, já não me conhece mais...”, e os franceses, que adoram a canção, dançavam um samba meio frankenstein. Em seguida, mais Chico. E emendaram O que será?. Comecei a me sentir em casa.

Na rua fazia muito frio. Mas no grande apartamento – uma coisa rara em Paris – tava bem quente. Tão quente que tive que tirar sobretudo, casaco, cachecol e luva, apetrechos comuns aqui, apesar de pouco familiares para os tupiniquins.

Pois bem. Meu francês não é lá essas coisas, mas dá pra bater um papinho aqui e ali. E fui sendo apresentado às pessoas.

- Esses são os donos da casa.
- Enchanté.
- Esses são meus amigos.
- Enchanté.
- Esses são amigos que moram no Senegal.
- Enchanté.


Enchanté pra cá, cerveja aqui, enchanté pra lá, cerveja acolá. Música brasileira no som. E já me achava totalmente enturmado.

Aí me apresentaram pra um sujeito do qual não me lembro da cara. Só me lembro da camisa.

- C’est Daniel. Il vient du Brésil.


E o rapaz, tal qual um Clark Kent, abriu o casaco e me revelou sua verdadeira identidade.

- Regarde. E mostrou a estampa que ostentava, orgulhoso, do Zidane, enquanto cultivava uma expressão facial meio cínica.

Isso mesmo, o Zidane, que marcou dois gols de cabeça em 1998 e deu um balão no Ronaldo em 2006. Que nos impõs as duas últimas derrotas em Copas do Mundo. E que, na final do ano passado, perdeu a cabeça. Ou melhor: meteu-a com gosto no peito do Materazzo, zagueiro italiano.

Aí eu me enchi. Talvez pelas derrotas do nosso time. Ou pelo dia de cão na Ikea. Ou pela minha ascendência italiana. Ou simplesmente pelo excesso de cerveja. Achei que deveria fazer alguma coisa.

E fiz.

Na hora em que o rapaz exibiu a figura do careca em sua camisa, percebi que o orgulho nacional estava em jogo ali, naquele momento. Era um tapa da cara. Um desafio para um duelo. E a hora da revanche.

Senti o peso e a responsabilidade. 190 milhões de brasileiros e 60 milhões de italianos esperavam ansiosos alguma ação minha.

Respirei fundo e, imitando o meio-campista francês, meti a testa no peito do cara, com mais força do que o previsto.

Feita a lambança, merecia um cartão vermelho, mas o máximo que pude fazer foi exibir um sorriso amarelo.

- Pardon.

No dia seguinte acordei com uma baita dor de cabeça.

19 comentários:

Cynara disse...

Enchentée fiquei eu, com esse post! Viva o Brasil! Viva a cabeçada! Viva o Daney! :o) BJIM

Anônimo disse...

hahaha!! só me lembrei da festinha de despedida da Pê, da minha alegria com a frase final em francês e o seu fora na cozinha! :)) queria ter visto essa cena, preciso chegar logo em Paris! :) beijocas, Dani, saudades!!! sabrina.

Joaquim disse...

Isso é coisa do teu pai. O Zagalo.

Soracha disse...

hauuahuauhauhhauuahuhauha!

héloise disse...

Cher Dani, quelques commentaires : 1/ "il ne faut pas faire aux autres ce qu'on ne voudrait pas que l'on vous fasse" c'est pas bien !
2/ "la jalousie est un vilain défaut" et il me semble que le Brésil n'a rien à envier à la France niveau foot (ni ces connards d'Italien d'ailleurs, oups, ça m'a échappé)... vous pouviez bien nous en laissez UNE de coupe du monde ! Et puis on l'a pas acheté d'ailleurs cette coupe du monde ? Et puis laissez nous être fier de notre zidane à la fin MERDE ! Vous qui faites des joueurs de foot des Dieux, pourtant ils ne sont pas toujours des anges...
3/ Italien depuis 2 minutes et déjà aussi insupportables qu'eux : attention danger Dani...
Je t'embrasse quand même ! Hélo

pápi disse...

Acho que a dor de cabeça não foi pelo arremesso contra o desafiante peito gaulês, e sim pelo excesso de cerveja. De qualquer modo, sugiro que, da próxima vez em que isso se tornar necessário, mire no estômago do cara: é mais macio e talvez o efeito seja mais devastador.
Desde 2003 quero voltar a Paris para acertar um vendedor de "souvenir" da Rue des Piramides que contou vantagem de 98 enquanto eu comprava uma miniatura da Torre Eifell (singelo, não?). Não comprei a buginganga, mas possivelmente por estar sóbrio, não me ocorreu a cabeçada. De qualquer modo, essa arma não havia ocorrido nem mesmo ao protagonista da cabeçada final da última copa. E nem é uma coisa francesa, nem nova: Serginho Chulapa (acho que tinha lugar certo no time de 2006) já usou num reporter.
Só Roberto Carlos -- ativo colaborador dos três gols relatados, o do chute na bandeirinha de corner, o da bola no meio das pernas e o da meia -- pode não gostar. Ali tem um caso de amor que a convivência no Real Madrid só atiçou.
De minha parte, sinto-me de alma lavada...
Tchau e Ciao,
Pápi
P.S: A propósito, quem é mesmo esse Zidane? É aquele do Brasiliense?

Janaina disse...

ahhhhhh e eu não estava aí pra ver essa cena! Muito bom! eeeeeee!!! :D

sandra disse...

é isso mesmo Daniel !!! Esses franceses ainda estão enchendo o saco da gente e não lembram que já faz quase 10 anos, 98 gente, já era !! O que dá mais raiva é sempre o cinismo com o qual lembram o facto. Mas ó, cuidado Daniel, o cara podia muito bem ter respondido por outro "coup de tête" avec la balayette. Attention. Bises da francesa que só gosta do team português e .... brasileiro

Andréa disse...

Dani, adorei a história...esses franceses são muito folgados mesmo! Não pode deixar barato! (A Charlotte que não veja isso....) Queria muito estar lá, inclusive pra vê-los sambando....
Saudades!!!
Um beijão!!! E manda um beijo pra Charlotte também!

Anônimo disse...

Hahahahaha! Inacreditável!
Imagino a cara do gringo.

Nandico disse...

Todo mundo tem direito a um momento Moraes na vida. :*

Carol Nogueira disse...

Demais, amigo! 160 milhões de brasileiros não teriam feito melhor!! U-hu!

Pequena disse...

Fabuleux mon cher ami!

Luiz Marcelo disse...

Parabéns, voce fez mais um amigo hahaha Meu caro, certos momentos da vida sao assim, decisivos, vem pra nos testar (opa!).
Forte abraco, LM

Renata disse...

Oi lindinho!
Vejo que vc está se diverdinho um bucadim por aí.
Adorei esta resposta c/ efeito etílico, bem nos estilo verde e amarelo.
Mega bjo procê
Saudade...
Doce

Tatey disse...

KKKKKKKKK!!! Tinha que ser vc mesmo, Daney!!! Ou seria melhor ZiDaney??
Adorei!!!!
Um bjo, meu lindo!!
Tatey

kfigaro disse...

Très sympa ce blog, je le rajoute dans mes signets ! ;)

J'en profile pour faire un coup de pub : y une communauté francophone de plus en plus passionnée par les paroles de Chico, plein de traductions en français à lire ici :
http://bossa-nova.forumactif.com/bossa-nova-f4/index-des-traductions-de-chansons-t354.htm

ça vous intéressera sûrement !

Teresa Souza disse...

Lavou a alma!

Sagitarius. disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkk genial