sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Teses musicais 6 - Hamilton das Cévennes


Esse é o último texto da série “teses musicais”, pois finalmente terminei de escrever o mémoire do mestrado (ueba!). É uma crônica feita há 3 semanas, no estilo “redija durante uma música”, quando ainda estava na linda região das Cévennes, no sudoeste francês.

Aperta o play aí.



Lugar paradisíaco esse da foto ao lado. Faz bem uma pausa na tese, para respirar, dar um mergulho e esfriar a cabeça. Quando eu digo esfriar, não é força da expressão. A água estava a 15ºC!

01 byte 10 cordas é o nome da música e de um disco de Hamilton de Holanda. Escute-a com atenção. Quantos instrumentistas tocam? Por incrível que pareça, um só. Esse álbum é o primeiro no mundo gravado com o bandolim de 10 cordas, que Hamilton mandou fabricar para poder fazer acompanhamento e solo ao mesmo tempo. Consagrado no Brasil, ele é amado na França, onde a imprensa o apelidou de “príncipe do bandolim”. A revista Bravo! não quis ficar atrás e o promoveu “de príncipe a rei”. Nos Estados Unidos, a comparação é com Jimi Hendrix. Segundo os críticos, o músico brasiliense (tá, nasceu no Rio, mas cresceu em Brasília, minha cidade) promove a maior revolução no instrumento desde Jacob.

O céu aqui está de um azul incrível, e faz um belo contraste com a vegetação impressionantemente verde das Cévennes. No inverno, imagino, tudo deve ficar na mais alva brancura. Será que esse riacho congela? Dá (quase) vontade de vir ver. Ao meu lado, Louise cochila na sua tenda. Ela cresceu – a Louise, não a tenda. Eu sou capaz de ficar o dia inteiro olhando pra ela, pra não perder um só instante das rápidas mudanças pelas quais ela passa.

Os jornalistas franceses tem uma certa dificuldade em definir a música de Hamilton de Holanda. Pra eles é choro, apesar de o bandolinista ter ultrapassado as fronteiras desse gênero há muito tempo. E o pepino pra imprensa aumenta na hora de explicar o instrumento que ele usa, "uma versão brasileira do velho mandolim europeu, ao qual ele acrescentou um par de cordas". Parte da culpa disso é da grande produtividade do músico, que lançou quinze discos em treze anos de carreira, sempre olhando pro futuro. Ele mesmo diz que precisa “fazer evoluir as formas tradicionais em direção à modernidade, pois quem anda pra trás é caranguejo”.

Quanto a mim, esticado numa cadeira de praia mas longe do mar, observando o riacho, suas pedras e a pequena barragem, fico pensando que essa música poderia durar um pouco mais, pois assim que ela terminar eu vou dar o mergulho diário nessa água gélida e retornar à minha tese. Daqui a alguns dias volto pra Paris. É bom ir pra casa, mas nesse momento gostaria de ficar um pouco mais por aqui. Gostaria que o verão durasse pra sempre.



Aproveito pra colocar aqui a música Bandolim, que o meu irmão, Pedro Cariello, compôs em homenagem ao Hamilton de Holanda, seu amigo de escola. Foi gravada pelo grupo Batucada de Bamba, do qual ele fazia parte, e tem participação do próprio Hamilton.




Leia os outros textos das teses musicais:

. Baden Powell
. Villa-Lobos
. Hamilton de Holanda
. Rolling Stones
. Orfeu Negro

7 comentários:

FZ disse...

Nos idos de 1996 ou 97, fui ver um amigo meu tocar na sala Funarte em Brasília.

Na época, ele tocava na orquestra de violões de Brasília e não cansava de falar do convidado especial do grupo, um moleque de 18 anos, com uma mãe meio grande demais para tocar um bandolim.

O show foi uma daquelas coisas típicas de Brasília: de graça, quase despercebido, sala meio vazia e cheia de família na platéia.

Bem, foi uma das melhores apresentações de música instrumental que já vi - mesmo preferindo Ramones, Raimundos e Chico Science naquela época.

Só entendi o porquê anos mais tarde, quando o tal moleque tocou no Free Jazz. Isso mesmo, o moleque era o Hamilton de Holanda. E palmas também para a galera da orquestra de violão que detonou, inclusive com composições próprias. Tenho o CD comprado no dia té hj e guardo com carinho...

Abração,
FZ

PS - Também já estou com aquele banzo de fim de verão... só queria pular o outono para chegar logo na neve. :)

Orlando (Pápi) disse...

Daniel, por falar em Hamilton de Holanda, uma sugestão: por que não oferecer também aos leitores do Chéri à Paris a música "Bandolim", que seu irmão Pedro Cariello fez em homenagem a ele e foi gravada com o grupo Batucada de Bamba e a participação de... Hamilton de Holanda. Bem, sou o pai dos dois --do compositor e seu --, mas acho que essa (quase) todo mundo merece.

Chéri disse...

Valeu, Zarur. Abraços!

Papi, sugestão aceita. Incluí a música no final.

mami disse...

Dani, boa a sugestão de pápi, sempre é bom ouvir uma boa música e aleluia!, enfim a tese
está pronta. Estou louca para ver.
Beijos nos 3,
mami

Pedro Cariello disse...

fala Dani,
mais uma vez parabéns pelos textos, tenho acompanhado sempre apesar de pouco comentar.

pô, fiquei feliz de ver a música bandolim por aqui.
valeu pela lembrança.

abração

ps. o cd novo já tá sendo gravado....

Pedro disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
aLiNe disse...

Linda essas músicas!
Toda vez que ouço alguém falar do Bandolim, lembro-me da música do Oswaldo Montenegro (http://www.youtube.com/watch?v=3HQ029LsZrg)...
Por fim, parabéns pelo mémoire!
Beijos!