sexta-feira, 5 de outubro de 2007

O ganso e o mico


Uma refeição na França costuma ser uma experiência inesquecível. Para os amantes da culinária requintada, é sem dúvida a oportunidade de provar pratos deliciosos e super elaborados. Porém, para os não iniciados nos hábitos alimentares locais, pode ser traumático.

O foie gras, por exemplo, é uma iguaria muito apreciada em terras gaulesas. Mas pouca gente sabe que se trata de fígado de ganso gordo. A maneira de preparar tem requintes de crueldade: o bicho é amarrado e alimentado, por uma espécie de sonda que vai diretamente no estômago, até quase explodir. Depois, seu fígado é tratado, conservado e vendido a preço de ouro.

Em viagem pelo interior do país, um amigo foi convidado para um jantar típico. Como entrada, uma bela fatia de foie gras, que ele nunca havia provado.

- É foie gras.
- Merci!


O anfitrião Patrick, um francês que morou no Brasil, explicou o processo de fabricação daquilo. Meu amigo já estava com o primeiro pedaço na boca, e chocou-se com o que estava prestes a comer. E aí entalou. Não descia de jeito nenhum. Não descia e nem subia. Ficou ali, preso. E ele sem saber o que fazer. O primeiro naco tinha que passar de qualquer maneira. Pro bem dele, seria bom descobrir logo como fazer isso. Pra acabar com a agonia, pegou a taça de vinho e virou-a inteira, com os olhos cheios de lágrimas.

- C'est bon?
- Delicioso...


Tentando ser diplomático, elogiou o que havia detestado. E como recompensa ganhou mais um pouco. Tarde demais. Nessa hora não dava pra devolver e muito menos pra deixar de lado. Então dividiu em pedaços homeopáticos, que colocava pra dentro à base de muito vinho.

Meio bêbado, continuou a sorver altos goles de álcool quando veio o prato principal. Dessa vez, nenhum susto. Apenas uma massa ao molho bolonhesa. O estranho veio depois.

Na França, o queijo é parte quase obrigatória de qualquer refeição. E servido sempre depois da comida. É normal para eles. Mas esquisito para um brasileiro. Ainda mais para um já embriagado.

- Quer queijo?
- Desce!

Queijos franceses podem ser muito fedidos. Aliás, quanto mais fétidos, mais eles parecem gostar. Se houvesse uma disputa para saber qual tem o maior futum, o camembert seria uma espécie de Pelé, imbatível. E foi exatamente esse que serviram depois do jantar.

Totalmente sem noção e já estupidamente bêbado, meu amigo, um contumaz piadista de boteco, começou a soltar suas pérolas:

- O que fede mais: um camembert ou a cueca do Patrick?
- Um conhecido jogou perfume francês em cima do camembert e comeu. Hoje seu peido é vendido engarrafado como arma de guerra.
- Um camembert incomoda muita gente. Dois camemberts incomodam, incomodam muito mais...


Depois desse festival de micos, um verdadeiro planeta dos macacos, ele nunca mais foi convidado para um jantar francês. Entre amigos, agradece por não mais ter que passar por isso. Por outras fontes sei que o anfitrião Patrick pensa igualzinho.

5 comentários:

Anônimo disse...

Um dos melhores!!!
Acho que conheço esse carinha aí...
Pablo

FabiCatarse!! disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk!!

Anônimo disse...

Eu também detesto foie grass e camembert. Eca...

Tatiana

Pagu disse...

eu tinha um e-mail que explicava direitinho o processo de "fabricação" do foie gras... triste! Os gansos ficam tão gordos que ratinhos se aproveitam e literalmente comem a bundinha deles. ;((( desde então tenho em mente criar uma ONG de NÃO AO FOIE GRAS. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk muita maldade.

Daniel, vc poderia me passar seu msn ou e-mail? É que queria umas informações da Brazuca. Por e-mail ou msn te explico melhor. Pode ser?

Abraços...

Natália.

Dianna disse...

foie gras e nojento...
puffft
abraços