sexta-feira, 21 de novembro de 2008

Tire o cotovelo daí

Não sei porque ainda não inventaram uma poltrona de cinema com dois braços, um para cada espectador. É sempre uma batalha para saber quem vai conseguir apoiar o cotovelo. Na França, país habituado a guerras, a disputa pode ganhar ares estratégicos mais interessantes do que o próprio filme.

(Sujeito 1 - Vamos chamá-lo de Pierre) - "Putz, cheguei tarde. Última poltrona, colada na tela. E a pior catástrofe de todas: o braço dela já está tomado pelo cotovelo desse bigodudo aí."
(Sujeito 2 - Que chamamos de Marc) - "Esse cara não vai sentar não? O filme já começou e ele ainda está em pé."

(Pierre) - Você poderia tirar seu casaco da cadeira, para que eu possa sentar?
(Marc) - Buf!

(Pierre) - "Ele está dobrando o casaco. O encosto do cotovelo está livre. É agora ou nunca... Peguei!"
(Marc) - "Gordinho maldito. Roubou o encosto."
(Pierre) - "Me dei bem! Me dei bem!"
(Marc) - "Vou fatiar esse safado na saída do cinema."
(Pierre) - "Me dei bem! Me dei bem!"
(Marc) - "Preciso recuperar meu território. Vou encostar o cotovelo de leve, e ir empurrando aos poucos."
(Pierre) - "Ele está tentando encostar o cotovelo de leve, pra empurrar aos poucos. O golpe mais velho do mundo."
(Marc) - "Acho que ele não percebeu."
(Pierre) - "Meu cotovelo está colado aqui. Não sai nem puxado por um trem."
(Marc) - "Droga. Não move. Parece que está colado."
(Pierre) - "Agora posso assistir ao filme tranqüilamente, com o braço da cadeira só pra mim."
(Marc) - "Não vou conseguir ver o filme. Tenho que pegar de volta o que é meu."
(Pierre) - "Nossa, o Harrison Ford conseguiu pular no caminhão em chamas! Ele é demais."
(Marc) - "Do que esse idiota está rindo?"
(Pierre) - "Vai, Harrison! Estrangula o jacaré. Sem pena."
(Marc) - "Vou fingir que estou me espreguiçando e aproveitar pra esmagar o pé desse gordo."

(Pierre) - Putain! Você esmagou meu pé!
(Marc) - Désolé. Foi sem querer. Tava me espreguiçando.
(Pierre) - Ça fait mal.

(Marc) - "Ele está massageando o pé. O caminho está livre. O encosto é meu de novo!"
(Pierre) - "Maldito. Triturou meu pé e ainda pegou o braço da poltrona."
(Marc) - "Quem é o rei sentado no trono? Quem é? Marc! Marc!"
(Pierre) - "Isso não vai ficar assim. Esse encosto me pertence. Eu roubei primeiro."
(Marc) - "Indiana Jones e Marc, os maiores de todos os tempos."
(Pierre) - "E ainda por cima tem esse bigode horroroso. Quem é que usa bigode ainda, meu Deus?"
(Marc) - "Isso, Indy. Com o chicote, com o chicote."
(Pierre) - "Talvez dê pra dividir o encosto."
(Marc) - "Que audácia. Ele está colocando o cotovelo por trás do meu. Deve estar pensando em dividir o encosto."
(Pierre) - "Já consegui colocar a pontinha."
(Marc) - "Se esse cidadão não tirar o cotovelo, vou mandá-lo em pedacinhos para a mãe dele. Pelo correio."
(Pierre) - "Ele está recuando o cotovelo com força. Ai, dói, ai."
(Marc) - "Achou que fosse fácil, né? Assim ele aprende que Indiana Jones e Marc são imbatíveis."
(Pierre) - "Tenho que pensar em algo. Tenho que pensar em algo."
(Marc) - "Como é que o Harrison Ford vai sair dessa?"

(Pierre) - Fogo! Fogo! Corre! Salve sua vida!
(Marc levanta, assustado) - Onde? Onde?
(Pierre) - Hã? Tava falando do filme.
(Marc) - E precisava gritar no meu ouvido?

(Pierre) - "Funcionou. Funcionou. Peguei o braço da poltrona de novo. Não solto mais."
(Marc) - "O pilantra conseguiu me enganar."
(Pierre) - "Consegui enganar o pilantra."
(Marc) - "Vou ter que resolver essa história de uma vez por todas, como homem."
(Pierre) - "Por que ele está me olhando assim?"

Marc pega Pierre pelo pescoço. Pierre dá um joelhaço em Marc. Os dois saem rolando no chão, e a confusão é geral. Metade dos espectadores da sessão vai parar no hospital. No dia seguinte, Marc e Pierre acordam ao mesmo tempo, e descobrem que estão dividindo o leito.

(Marc) - "Como vim parar aqui? Ah, agora me lembro. Estava no cinema e começou uma confusão."
(Pierre) - "Aquele bigodudo também está aqui."
(Marc) - "Tenho que ocupar o meio do leito, antes que ele o faça."
(Pierre) - "Diacho, ele já tomou conta do espaço. Vou esticar a perna de mansinho, sem ele perceber."

11 comentários:

Maíra disse...

Uma vez eu estava assistindo a um filme X (o filme não tem tanta importância em relação ao braço da poltrona mesmo) quando o sujeito de trás colocou o pezão gelado dele no braço da minha poltrona. Acho que agora teremos uma guerra com três frentes.

Natalia disse...

Amei!!! Sempre me perguntei a razão de não haver dois braços na poltrona do cinema! Muito bom o texto.

Silvestre Gavinha disse...

Pode crer... com quem a gente conhece já dá vontade de beliscar e enfiar agulhas... imagina com desconhecidos....
Muito bom... mesmo.
Agora, dividir o mesmo leito no hospital???? Caramba... Na França???
Ai...
E ainda ver filme dublado né???
Ou aí já tem bastante cinema com versão original???
Na Itália isso é o fim...
Grande abraço
Marie

FabiCatarse!! disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk...sou do tipo estrategista!! Tenho idéias mirabolantes pra fazer o zezinho ao lado liberar o braço pra mim!!!kkkkkkkkkkkkk Adorei, adorei! A idéia de esmagar o pé do fulano ainda não usei, mas vai entrar na minha lista!

A Marie lembrou bem... quando é gente amiga que está ao lado, o pudor, pode fazer com que nos contenhamos ou pode até rolar um acordo, mas dependendo do grau de liberdade, já rola um tapão e pronto!

Mariana SCHMITZ disse...

O texto é otimo e a questão procede, realmente! Quando o vizinho não arreda o braço, me vingo abrindo um saco bem barulhento de guloseimas e mastigando murmurando "hmmm, hmmmm..."

Renata disse...

Esse negócio de competição solitária acontece por vários motivos e o pior que nem sempre o inimigo sabe que está numa batalha. Hehehe... As vezes a pessoa imagina e acredita nessa guerra, e se for mulher e tiver tomada por alterações hormonais (tbm conhecida como TPM) o negócio pode tomar proporções inimagináveis. Uahuahuah...
No trânsito, por exemplo, pra arrancar primeiro no semáforo ou qdo há uma vaga no estacionamento lotado na mira de 2 motoristas.
Uma vizinha que reformou a fachada da casa e a pessoa pra num ficar pra trás vai na onda e enlouquece o marido pra pra gastar sem poder pra não ficar "humilhada"
Irmãos da infância pra adolescência vivem planejando estratégias para conquista da atenção dos pais (o alvo) e sabotar a ações do irmão (o inimigo)
Entre vários outras situações que somente uma mente humana é capaz de criar.
Viver é complexo!

Déia disse...

Dani, ontem fui ao Festival com a Constance e constatamos que no Cine Brasília tem dois encostos!!! Genial! Volta logo que aqui não terá mais esse problema! :)
Beijocas!!!

pecus disse...

Tem sempre o contra-ataque da perna cruzada.

Falando nisso... disse...

Pior que é isso mesmo...
Bom, tem a técnica do falastrão! Comece a matracar enlouquecidamente nos ouvidos de quem estiver ao lado durante o filme! É provável que funcione!
Ou então tussa bastante e comente: " Essa virose..."
Deve funcionar também!! :)

Beijos querido!
Flávia

May disse...

Adorei o texto.. á a primeira vez que eu entro nesse blog e adorei mesmo! (virei frequentadora!)hehehe

adorei mesmo...
e ainda mais.. uma pos você está (ou esteve) na França.. eu que faço curso.. adoro...
e outra que você é publicitário.. o que é bem proximo á minha profissão.. designer...
hehehe
Adorei.. você está de Parabens!

Bjos

constance disse...

Daniel...comentario meio atrasado mas só para a infomração. No cine Brasilia, tem 2 braços por poltrona!!! Ainda bem né, pq se não ia ter que brigar com a Andrea... Chato não é...
bjos
constance